30 de jan de 2009

terceira postagem
segunda postagem
primeirapostagem

28 de jan de 2009

quarta feira 28/01/90


primeira postagem

segunda

terceira

27 de jan de 2009

mais um dia

25 de jan de 2009

segunda feira dia 26
24/01/2009--primeiro-acertei
coloReflexões Revista Piaui

Pois é meu caro!
Primeira revelação importante, sua moradia no Rio
Segunda, estarmos junto em Letras Mínimas, cuja capa é design pessoal.
Prazer
Vi Tapiti descendo do poente em direção a Niterói, por volta de meia-noite. O negócio é achá-la por aqui.
Quanto a hai kai, venho há tempos num sério treinamento e os fazia como muitos por
aí. Achava que bastava ser curto para ser um. No início até escrevia hai kay; procureisaber o que era e apelei para o Google quando descobri sua origem no longinquo século XVII.
Sua prática era popular e sem uma ordem definida.
O principal haicaísta foi Matsuô Bashô (1644-1694), no Japão, que codificou e implantou os cânones do tradicional haicai japonês.
Um hai kai originalmente tem que ter rigorosamente 17 sílabas. Sua tradução da língua japonesa quase sempre leva a versões que ultrpassam as tais e chegam a
23/01/2009 12:09 segundo
domingo 25
A data no relógio está 23/01/09
Reflexões Revista Piaui

Eu gostaria que meu pai ou minha mãe, ou os dois, já que ambos tinham a mesmíssima responsabilidade, houvessem refletido sobre o que estavam fazendo quando decidiram me conceber. Por outro lado acredito que atuavam movidos por uma boa quantidade de reflexos primitivos, alguma macaquice, talvez. Sem essa de que passaram antes pelo jardim zoológico ou assistiram a um documentário pertinente. Deixando de ser impertinente, confesso que condicionados pela natureza não haviam que ceder a mirabolações. O pai, não tenho dúvidas, chegou perto de refletir com uma firme genuflexão. Fiel ao princípio de que ajoelhou tem que rezar.Dacio Jaegger
22/01/2009

atrasado o relógio para dia 23 01 09mm
mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm
mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm
mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm
mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm
mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm
mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm
mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm
mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm
mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm
mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm
mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm
mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm

mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm
mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm
mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm
mmmmmmmmmmmmm
mmmmmmmmmmmmmmmmmm
mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm
21/01/2009
entrará a data de 23/01/09?

24 de jan de 2009

23/01/2009

Alterei a data atrasando um dia / valerá? não valeuPois é meu caro!
Primeira revelação importante, sua moradia no Rio
Segunda, estarmos junto em Letras Mínimas, cuja capa é design pessoal.
Prazer
Vi Tapiti descendo do poente em direção a Niterói, por volta de meia-noite. O negócio é achá-la por aqui.

22/01/2009


Quanto a hai kai, venho há tempos num sério treinamento e os fazia como muitos por
aí. Achava que bastava ser curto para ser um. No início até escrevia hai kay; procureisaber o que era e apelei para o Google quando descobri sua origem no longinquo século XVII.
Sua prática era popular e sem uma ordem definida.

21/01/2009

O principal haicaísta foi Matsuô Bashô (1644-1694), no Japão, que codificou e implantou os cânones do tradicional haicai japonês.
Um hai kai originalmente tem que ter rigorosamente 17 sílabas. Sua tradução da língua japonesa quase sempre leva a versões que ultrpassam as tais e chegam a

22 de jan de 2009

foi consertada a datação?

18 de jan de 2009

No entanto nas mulheres atingi o máximo da glória. Com volumes e formatos variados orno seus tórax ao par tornando-as esbeltas, elegantes, apetecíveis, cobiçadas e atraentes. Houve um tempo que era mantida um tanto escondida pela vestimenta, mas com uma forte sugestão erótica ao ser levantada um tanto oferecida por espartilhos feitos de barbatanas de baleias. Nos países do Oriente sempre vivi oculta sob roupas, na Grécia e Roma era exibida sob roupas leves e semitransparentes. Na época das trevas, na Idade Média nem nas relações amorosas era vista, apalpada, beijada ou chupada – só pelos filhos e olhe lá. Entre os povos das florestas em qualquer latitude os machos nem sabem deste alto valor; paciência! Portanto a mulher moderna sabe muito bem do meu valor, não falo no aleitamento, que o mundo se criou graças a ele. Falo mesmo do alto valor como moeda de troca nas transas caprichadas em que sou buscada pelo homem e oferecida pela minha proprietária sem meias palavras, usada e abusada, em qualquer credo, um deleite para olhos gulosos, um bom bocado para bocas gulosas, sem nenhuma distração, um passeio para dedos espertos e nervosos. Há até algo mais lascivo, mas um pouco ruborizada prefiro me remeter à minha vida nas praias, as dos nudistas em que sou oferecida ao suave toque dos ventos, aos beijos marotos dos raios de sol, à grudação à milanesa dos grãos de areia e ao desmanche destas sensações pelos seus sequestro na água do mar. Parece-me que nem procurada pelo olhares desatentos dos se fêmeas da ocasião. E logo ali detrás da montanha numa praia infindável, tem de tudo, desde os vendedores de iguarias aos que ofertam serviços ou quinquilharias e eu, montada em lindos e formosos tórax (as feias que me perdoem). Aqueles, a faturar olham de soslaio, mulheres e homens, estes do meu interesse me fitam, eles indecorosamente, que bom, adoro. Fico excitada às vezes, perdoem meu mamilo, é ele, este pequeno altar dos deuses. Mas uma coisa me encuca, ele é centenas ou até
No entanto nas mulheres atingi o máximo da glória. Com volumes e formatos variados orno seus tórax ao par tornando-as esbeltas, elegantes, apetecíveis, cobiçadas e atraentes. Houve um tempo que era mantida um tanto escondida pela vestimenta, mas com uma forte sugestão erótica ao ser levantada um tanto oferecida por espartilhos feitos de barbatanas de baleias. Nos países do Oriente sempre vivi oculta sob roupas, na Grécia e Roma era exibida sob roupas leves e semitransparentes. Na época das trevas, na Idade Média nem nas relações amorosas era vista, apalpada, beijada ou chupada – só pelos filhos e olhe lá. Entre os povos das florestas em qualquer latitude os machos nem sabem deste alto valor; paciência! Portanto a mulher moderna sabe muito bem do meu valor, não falo no aleitamento, que o mundo se criou graças a ele. Falo mesmo do alto valor como moeda de troca nas transas caprichadas em que sou buscada pelo homem e oferecida pela minha proprietária sem meias palavras, usada e abusada, em qualquer credo, um deleite para olhos gulosos, um bom bocado para bocas gulosas, sem nenhuma distração, um passeio para dedos espertos e nervosos. Há até algo mais lascivo, mas um pouco ruborizada prefiro me remeter à minha vida nas praias, as dos nudistas em que sou oferecida ao suave toque dos ventos, aos beijos marotos dos raios de sol, à grudação à milanesa dos grãos de areia e ao desmanche destas sensações pelos seus sequestro na água do mar. Parece-me que nem procurada pelo olhares desatentos dos se fêmeas da ocasião. E logo ali detrás da montanha numa praia infindável, tem de tudo, desde os vendedores de iguarias aos que ofertam serviços ou quinquilharias e eu, montada em lindos e formosos tórax (as feias que me perdoem). Aqueles, a faturar olham de soslaio, mulheres e homens, estes do meu interesse me fitam, eles indecorosamente, que bom, adoro. Fico excitada às vezes, perdoem meu mamilo, é ele, este pequeno altar dos deuses. Mas uma coisa me encuca, ele é centenas ou até
postando quarta feira
postando quarta feira
espaço para nova postagem segunda
espaço para postagem
espaço para nova postagem domingo

17 de jan de 2009

espaço para nova postagem sábado

16 de jan de 2009

espaço

14 de jan de 2009

quarta dia 14 de janeiro de 2009

13 de jan de 2009

marcand área

marcando área

11 de jan de 2009

Nem mais e nem menos

No mato de sem cachorro
-Adão, estamos no mato sem cachorro! -O jeito é arranjar um com algum amigo ou comprar numa petshop. –Falo grosso modo, é um provérbio meu caro. Quero dizer que estamos sós, sem casa, perdemos as frutas do Paraíso, sem alguém para ajudar, sogros e pais, somos sem terra e sem teto. Como entrar no MST? Reforma agrária, nem pensar, está a milênios da gente. Você tem que se virar, no início de civilização é o homem que vai dar duro, nos dois sentidos, para sustentar a família. Esqueceu da reprimenda no despejo? -Não me esqueci, e estou por aqui com você, afinal, se não fosse pela sua desobediência, estaríamos no bem bom, desfrutando as delícias que tínhamos. –Eu não tive culpa de coisa alguma, a responsável pela nossa desdita foi a serpente, aquela sem vergonha, asquerosa, mentirosa, traiçoeira... –Desdita, o que é isto? -Vá para o inferno! Não vá, ele é aqui mesmo, trata de pegar uma enxada e escolher um lugar para fazer uma roça, plantar para colher. –Plantar o quê? -Sei lá, não tenho a mínima idéia. –Vamos nos matricular no Bolsa Família! Lá tem cesta básica; eu sei que é pouco, mas vamos aguentando até chegar à colheita; você pode plantar trigo e com ele farei pães, bolinhos, pizzas... Com cevada, a cerveja. Vamos colher mel de abelhas, tâmaras, maná, e assim melhoraremos o padrão da cesta básica. Vou te contar, o que tem de pior vem nela. –Pô, minha cara! Já está esnobando, se continuar assim ninguém te aguentará, suas amigas vão querer distância de você. –Não haverá distância, não há amigas, existimos nós, e por falar nisso está na hora de você me conhecer. E não te conheço? Fomos apresentados pelo oleiro-carpinteiro-marceneiro-neuro-linguista, há poucas semanas. –Minha nossa, não estou falando de apresentação, isto é coisa do passado, falo... falo, como vou dizer, fazer amor, ou se quiser mais diretamente, é transar. –O que é transar, fazer amor? –Minha nossa, vou passar a vida inteira te dando instruções, guiando, exigindo, adulando, vê se te manca, cara. –Tudo bem, mas pode ser mais gentil, insinuante, fazer beicinho, um olhar provocador? Tudo é novo, reconheço. –Cara, você tem um irmão, um tio, um amigo, algum concorrente? Não! Então és tu mesmo. Não vai me conhecer aqui à luz do dia nem esperar chegar a noite. Vamos para aquela caverna.............................................................................................................................................. -Foi bom para você, Adão? - Não sei, só se repetir para poder comparar. -Você foi muito desajeitado, não soube como começar, não me um beijo sequer, tentei lhe beijar e só via você dando tapas em si mesmo. Que tara! –Tara nada, picada de mosquito é mole? Na posição que fiquei recebi os carapanãs e até o mosquito da dengue. Aquilo que raspou da sua barriga não era caraca, eram mosquitos que morreram imprensados no pega para capar............................................................................................................................................. -Adão, há vários dias que me sinto enjoada, ando com muita fome, sinto uma vontade louca de chupar sorvete de chocolate, quero que você saia para buscar para mim. -A esta hora da noite? Que coisa é essa? Isto não existe! –Não me interessa se existe ou não, quero e pronto! Estou com desejo e você não pode me contrariar, se não alguma coisa me diz que vai dar tudo errado. –Gente, que maluquice é esta? O que pode dar errado neste fim de mundo? –Sei não, mas que vai dar errado vai. Quem me diz é minha intuição. –Sua o quê? Intuição? –Deixa pra lá, vai, vai quero o sorvete. –Não vou buscar nada! Se vira...................................................................................................................................................... -Eva, você está comendo demais, sua barriga cresceu muito nestas oito luas, haja filhotes de macaco, passarinhos, ovos, nada te escapa da boca, até para mim começa a faltar comida. - Não fala, estou sentindo umas dores esquisitas, vou botar tudo para fora agora. Vou fazer cocô, tenho que ficar de cócoras, nossa, é muita dor, chamam isto de contração, Mas ao mesmo tempo é uma vontade enorme de fazer um xixizão... ui, ai, ai, ui, uau. Parece um terremoto, o mundo vai acabar, vou desabar, estou vendo tudo preto, ai, ai ui, ui, ai, me segura, ai, ui, não... chega para lá, sai daí... aiiiiiiiiiiiii... -Minha nossa... o que é isto? Não é nada do que você falou. É outra coisa! -Prestenção, isto é uma cria como outra qualquer. Ei, ele está ficando roxo e não falou nada ainda... está amarrado com esta tripa. Me ajuda, dá aqui, tenho que cortar o cordão com os dentes. –Você não pode fazer isto! –Como não posso? O instinto está mandando! Pronto! -Buaaaaaaaaa... -Que legal, ele fala! -Falando nada, está chorando! -Este é o nosso filho. –Meu não, é só seu, saiu de você. Quando sair um de mim, aí será meu filho. –Tá bem! Um dia você vai parir! Vamos ver! Bem ele precisa de um nome. Nisto um cão que havia levado uma pedrada por tentar comer a placenta saiu ganindo: -Caim, caim, caim...

9 de jan de 2009

Mais uma área disponível

8 de jan de 2009

Aguardando utilização

7 de jan de 2009

aguardando postagem

post

6 de jan de 2009

31/12/2008
Nem mais e nem menos
Ordem de despejo
O oleiro-carpinteiro-marceneiro-neuro-linguista voltou-se para Adão: -Ordenei que não comesses o fruto da Árvore do Saber, desobedecestes, destes ouvido à tua mulher e comestes. Por tua causa a Terra estará ferrada, será maldita, dela tirarás teu sustento e o dela, vais arar plantar e enfrentar sol, tempestades, secas e enchentes, ah, para botar pilha em você, virão dilúvio, delúbio, Valério, o carequinha, petralhas, Daniel Dantas, vereadores, deputados e senadores - todos explorarão sua descendência sem condescendência. Comerás o pão, biscoitos, roscas, balas, sorvetes, um simples chester, através do suor de seu rosto. Serão explorados por faraós, imperadores romanos, reis ingleses, presidentes americanos, franceses, holandeses, multinacionais de alimentos e deles usarás alimentos transgênicos, processados, como salsichas, cheios de conservantes - venenos vários - que lhes produzirão toda sorte de doenças, incluindo o câncer. Inventarão e colocarão no saco das maldades as possíveis e as impossíveis e também as inimagináveis... Todos serão afetados pelos séculos e séculos. "-Isto, pensou o oleiro-carpinteiro-marceneiro-neuro-linguista, está me cheirando a scripts de cinema catástrofe". -Adão, tu fostes feito de pó e claro, te tornarás pó novamente, o qual não poderá ser usado para fabricar coisa alguma. Quando fores cremado tuas cinzas não poderão ser usadas para fazer sabão. Avise a teus descendentes! Tua mulher, Virago, porque originada de ti, em outras histórias foi chamada de Eva - e o foi porque o narrador andou "voando", não pesquisou direito, comeu mosca - não poderá sair com ele, então te facultarei que a chame de qualquer coisa. -Senhor, posso manter e chamá-la de Eva? -Quer me cansar? -Porque insistes neste nome esquisito, não conhece um melhor, que tenha mais sonoridade, Madonna, Maryllin, Marisa, Yoko Ono? - Esta palavra, senhor, me veio à cabeça porque é do hebraico hav vah, significa que será mãe de todos os viventes. Imagine, com todo o respeito, ter que consertar o nome dela em todas publicações. Só tenho uma dúvida, mestre, o senhor nos deixará sobreviver? -Sejamos práticos, não haverá mais conversas entre nós, estou expulsando-os aqui e agora deste lugar; tomem estas vestimentas de pele de cervo, prêt-à-porter, que mandei comprar ali na C&A e desapareçam rápido e nem olhem pra trás. Saem da liberdade do Paraíso para o mundo que mais será do que uma prisão. Não esperem por um habeas corpus, salvo conduto ou mandado de segurança. Pelo contrário, terão que dar tratos às bolas para corromper, fraudar, criar contos do vigário, mentir, enganar, toda uma série de virtudes que lhes permitirão avançar na vida para acumular toda sorte de ouro, prata, pedras preciosas, bugigangas, a qualquer preço, passando por cima de parentes, amigos e estranhos, com todo o egoísmo possível e depois cair mortos e deixar tudo para trás. Quando morrerem... é, perderam a imortalidade, nada levarão para o outro mundo, nadica de nada... seus bens serão disputados como carniça pelos descendentes. Parem de tremer e se mandem! -Senhor, não pode dar um jeitinho? -O quêeee? Pensas que está no Brasil, na terra em que todos querem levar vantagem? Lá onde se criam dificuldades para venderem facilidades? Onde se legisla em causa própria? Onde sentenças judiciais são ditadas nas altas cortes pelos advogados de defesa dos réus? Olha não sou senador nem deputado, governador ou prefeito, muito menos vereador ou suplente de qualquer coisa. Vão em frente! O casal não teve saída a não ser obedecer, principalmente quando viram uma pessoa com asas enormes e como um pássaro, voando, chegar nas proximidades descendo a uns cinco metros e pondo-se em guarda. Seus olhos ferozes fitaram os companheiros. Carregava aquele corpulento anjo um sabre de luz, cintilante e versátil, desses que foram usados em Guerra nas Estrelas, por Luke Sky Walker. Como demonstração o querubim apertou um dos botões e a arma a laser disparou raios de três cores simultaneamente derretendo uma pequena rocha. No seu lugar a poça de lama quente e rubra que se formou esfriou e se mostrou como uma peça laminar granítica. Adão fez o sinal da cruz automaticamente, primeiro com a mão direita e depois com a esquerda (atendendo aos canhotos), como as pessoas atualmente na hora do aperto se persignam - passaria muitos dias abobalhado sem saber de onde havia tirado aqueles movimentos e não achou ninguém até hoje para explicar-lhe tal ato. A Árvore do Saber tinha ficado para trás. Dali em diante ele e sua consorte, os dois sem sorte, mais toda sua descendência sem a ciência, teriam que descobrir tudo sozinhos...............................................................................................................
11/12/2008
Nem mais e nem menosO pomo da discórdia-Cof! Cof! Cof! -Que é isto Adão? Nunca ouvi esta palavra... o que quer dizer? E estes olhos esbugalhados? Você está ficando todo roxo, vai ser o meu adorável roxinho daqui para a frente? Vivaaaaa! Tudo no início é precário, depois vêm os aperfeiçoamentos. Adão ainda não tinha aquilo roxo como bradou milhares de anos depois, na Ilha de Vera Cruz, um tal Sr. Collor. -Cof! Cof! COF! COF! Cof, cof, coof, coooff, coooffff... coooof... Pimba! e "esticou as canelas", a primeira do mundo - nesta época não havia conotação com a morte, não se assustem ele sobreviverá. -Ah, não sei o que fazer, não temos manual de uso, a amiga rastejante escafedeu-se, será esta a palavra certa? Adãozinho queridinho, cospe esta coisa da sua güela, fala comigo, fala, ah, tô sózinha no meio do mato, não tenho mamãe, nem sogrinha pra chamar, nenhuma cunhada... faaaaalaaa! e ficou Eva repetindo sem parar; seu vocabulário e raciocínio eram de uma criança de 13 anos, 7 meses e 13 dias. -Uga, uga, ga, gaga, uo, uau, sua pele arroxeada, depois azulada, passa a amarelo-laranja e fica vermelha; pletórico, murmura algo ininteligível e fica de cócoras; volta à sua cor natural, qual? Adão põe-se de pé, mãos em concha na boca e serelepe grita aaôôôôôaooôôaoaôôooo... mim Tarzan, o rei da floresta. Eva com um raciocínio de 17 anos disse-lhe que deixasse de ser besta, que ele não era rei de lugar algum, que ali não era mata e sim um jardim, o Paraíso, mas que estava achando-o mais bonito com aquela corcovinha no pescoço e lindo e maravilhoso com a voz máscula que ele estava usando. -Não estou usando voz alguma, ela é minha, você não vê que é por causa desta entalação da fruta que me deu? Você não ficou assim, estará para sempre aleijada, rá, cof, cof, rá, rá... Eva pensando como uma mulher de 23 anos diz que ela não pode ter voz grossa, pois é coisa de macho. Sua voz tem que ser delicada, maviosa, como a voz dos anjos, - você sabe, os anjos não tem sexo nem nexo e entenda que não são afetados, termina. E a uma só voz exclamaram: isto será conhecido como o pomo de Adão !!!!!!! Porque pomo? pergunta Eva. -Peraí, aqui tem um verbete na folha da Árvore do Saber, diz Adão e lhe responde que a palavra significa caroço e que pelo que havia lido numa revista rural era semente de maçã que agora pertencia ao corpo dele para todo o sempre. -Ah, não, acontece que a semente da maçã é muito pequena e renderia no máximo umas verrugas nas cordas vocais. Sua voz seria horrível, você soltaria roncos e grunhidos! Foram folhear uma enciclopédia e descobriram que na verdade o engasgo se dera com o "pseudofruto formado pelo ovário" e não com o receptáculo floral, carnoso e muito desenvolvido, que é a porção comestível de frutos como ex., a maçã, que desceu para o seu destino. -Adão, eu não tinha reparado o seu balancim como o vejo agora. -É, eu também não tinha reparado seu rachadim com estes olhos cobiçosos. -Cobiçosos, será que é a mesma coisa que estou sentindo, bem, não pode ser a mesma coisa, afinal somos diferentes e não pode haver sentimentos iguais. -Mas tem que ser muito parecidos se não estaríamos cada um andando para lados contrários. Não estaria ocorrendo essa atração mútua. Ou você não sente realmente o que penso. Está com o pensamento na cobra? -Cê besta, um bicho frio daquele, com a língua partida no meio, lembra que ela falava meio fanho, pô, pensando em discutir a relação logo agora? -Tudo bem, deixemos para lá, vamos até ao lago azul? -Vamos, mas antes temos que cobrir nossas vergonhas, não fica bem andarmos assim. Pega essa folha de parreira e coloca aí, ah você precisa de duas e grandes. E saíram lado a lado de mãos dadas, passeando os acessórios. Eram 14 e 27 minutos, hora de Greenwich, sol bem alto. -Adãoooonnn! -Eeevaa!! ressoa a voz do oleiro-carpinteiro-marceneiro-neuro-lingüista, onde estão vocês? Aquiiii... -Má tarde! -Boa tarde, diz o mancebo. A manceba ecoa. -Sua voz está grossa meu caro, o que houve, está resfriado? -Argh, é que... sabe... bem... fala para ele Eva... -Não é necessário, já sei o que aconteceu. Estão sentindo frio e por isso estão usando estes cobertores? -Não, é que estamos pelados, nus. -NUUUUUUUSSSSS, e como sabem disto? -Foi a Eva que me falou. -EVAAA... -Senhor, foi a serpente que me enganou. -Cadê a serpente? -Acho que o gato comeu. -Cadê o gato? -Foi pro mato. -Cadê o mato? -Acho que o fogo queimou. -Cadê o fogo? -A água apagou. -Cadê a água? -O Boi bebeu. -Cadê o boi? -Amassando o trigo. -Cadê o trigo? -A galinha espalhou. -Cadê a galinha? -Botando ovo. -Cadê o ovo? -O padre bebeu. -Páara, que não existe padre, começou o jogo de empurra? Trombetas ecoaram o alarido mais estrondoso que poderia ser ouvido por aquelas bandas -Quero aquele ser abjeto aqui imediatamente! E foi achada e trazida segura pelos braços a esperneante serpente, escamas eriçadas, a língua murcha, caída para o lado esquerdo, os olhos tão espremidos e a cauda chocalhando com seus guizos, uma vergonha. -Sua isso, sua aquilo, isto e mais aquil'outro... Tu traístes os ideais da bondade, passastes a perna na nobreza, serás doravante maldita entre animais e bestas; ficarás sem pernas e braços, passa-me os membros já, e andarás esfregando a barriga no chão e comerás terra todos os dias da tua vida. Doravante seus descendentes pisarão em tua cabeça e tu tentarás morder seus calcanhares, digo, picarás. Entenda o que estou falando! Nada a ver com Aquiles. -Senhor, tende miseri... -Cala-te para sempre! Entrega-me tuas cordas vocais, rápido! Não sei onde estou que não te transformo em minhoca de uma vez por todas!...................................................................................................................
30/11/2008
Nem mais e nem menosA primeira lábiaEva nasceu sem o gingado, porém pulara muita corda e amarelinha e ficara com as pernas doídas e estava mancando. Adão todo sem jeito fizera a mesma coisa, mas só coxeava acompanhando a mulher -nada do que estão pensando - hesitava.Arapongas de penas investigaram, souberam e deram com a língua no bico, segredaram aos meus ouvidos moucos que uma trama urdida pela queda do bem anterior vencida pelo mal posterior estava em marcha numa cabeça debaixo de dois chifres. Viria isto abalar os alicerces do jardim onde o Primeiro Casal desfrutava de uma vida de sombra e água fresca – não façamos comparações. Uma maquinação do tinhoso que por ter tido suas luzes desligadas peremptoriamente quando tentou assumir o poder ainda Lúcifer - anjo de luz- o levara a procurar pelo Mr. M. O mágico o transformou numa serpente.O diabo do bicho rastejante, indecoroso, com uma pasta Vuitton que carregava no lombo, porque como serpente, mãos e pés não tendo, deu uma de camelô para oferecer toda sorte de bugigangas possíveis à Eva, como colares, pulseiras, brincos, baton, rímel, relógios, piercings e etc. Achou de incutir-lhe um pecado, a vaidade. Começaria ali a tentação de futuro promissor. O diabo já vestia Prada. Da maleta estendeu uma toalha feita de uma flor de vitória régia, num cochilo, ecologicamente correto e sobre ela espalhou a mercadoria adquirida nas lojas da Saara, no Rio. Pôs-se à beira de uma trilha e sob a sombra de uma árvore cujas folhas abrigavam uma biblioteca de tamanho inimaginável, maior do que a do Congresso Americano. No tronco as palavras esculpidas, Árvore do Saber e mais em baixo entre parênteses, em língua estranha: (do Bem e do Mal). E abaixo em vermelho petralha: P.S. “o Bem a depender de verbas de governo”.A cobra, velha de guerra, mostrou impressionante lábia de um estágio de camelotagem feita com o Silvio Santos. Do alto do seu MBA viu na curva da trilha apontar os caminhantes; mancava ainda Eva, o que levou o ofídio a cantar,"Olha que coisa mais linda, mais cheia de graça, É ela menina que vem e que passa, Num doce balanço a caminho do mar, Moça do corpo dourado do sol de Ipanema,”Eva riu, olhou a barriga - os peitos empinados atrapalharam um pouco- viu tudo brancacento e fez seu primeiro muxoxo - -ta doida ela!, no que a serpente não se deu por achada e respondeu dançando várias vezes a dança do ventre - fez o que pode e magrela, sem cintura, bunda e peitos, nem as cobras que passavam ou se balançavam nas árvores deram-lhe a mínima atenção. Bocejavam. O ofídio viu que como cobra teria que lutar muito para ser objeto de consumo, salvo por que iria emprestar seu nome a um outro tipo no mundo do futuro.Mostrou-lhe a serpente uma loção para bronzear, Eva virou a cara, não iria beber aquilo! Um relógio, disse-lhe que tinha todo o tempo do mundo. Um maiô Catalina: -Não preciso de cobertor. Uma bolsa Vuitton: -Meu canguru carrega minhas pedrinhas coloridas, conchinhas, flores, penas de passarinho, frutinhas e etc. Sobre pincéis, esponjas, bases e pós, batons disse que não desejava ser artista plástica. Um salto Luis XV, não queria viver nas alturas. Uma calcinha. Achou que era máscara cirúrgica. Um espelho. Disse: oi, miga!A cobra coçou uma orelha, respirou fundo e ofereceu-lhe ser capa da Playboy, respondeu: Adão e eu somos analfabetos sem pai nem mãe, pelados já andamos, tem graça nenhuma, a não ser que ele de terno e eu com um tubinho lancemos moda new look no Fashion Rio. Disse-lhe a serpente: -Veja, a cor de seus cabelos são pretos como as asas da graúna, um pássaro brasileiro que vai ser imortalizado por Henfil, se continuar assim as piadas no futuro não serão com as louras.Advertida, a desamparada Eva olhou pros lados, para cima da árvore procurando o companheiro. Ele não era um chimpanzé. Estava semi-sentado, recostado no tronco da árvore do Saber, dormia a sono solto, tão solto que voava pelas pradarias muito além da mata. A serpente ao ouvir seu primeiro ronco, sinal de anestesia profunda, estremeceu e deu um largo sorriso mostrando seus dentes brancos sem jaça. -Querida amiga, pelas respostas que você me deu acho que uma coisa é certa, vc não irá muito longe na sua carreira, não falo de corrida, falo de subir na vida, não falo de escada falo de progresso...Eva enjoada, acha que tem falo demais e exige um basta. -Tudo bem, desculpa, você precisa dominar todas as coisas, passar no ENEM, aprender a dar ordens, saber botar a mão na cintura enquanto bate o pé e rodar a baiana, não levar desaforo para casa, não se submeter a outra mulher, deixar que Adão pense que ele está sempre levando vantagem, saber sempre que o filho que carrega na barriga é dele e se não, deixar pensar que seja, ou ele te mata. –O que é mata? Filho na barriga, o que é isto? -Bem deixa para lá. –Deixa pra lá... será que deixo? –Não deixo, fala o que é! -Não adianta te explicar, não chegou a hora. –Quem? O quem é hora? É de comer? -Você só pensa em comer... É muito curiosa... quer saber? -Quero. -Só tem um jeito flor do dia. Você é tão doce... –É, sou uma flor ou um doce ou os dois?-Humm, veja isto, sinta o doce aroma desta fruta... ela é da arvore do saber e como gosta de perguntar, quer saber todas as coisas, lhe digo, coma-a e partir da sua ingestão vai ter respostas para todas as suas indagações. Eva pegou, comeu-a e tomou outra.-Adão, xiiii, ele acordou, pssiiiuu... dê-lhe menos para que ele esteja sempre sob seu domínio. A serpente se escondeu por entre a folhagem e foi se arrastando de fininho e sumiu. Olhos grandes, narinas dilatadas, salivando, esfomeado, Adão vê o vermelho apetitoso, sente o odor da fruta na mão de Eva. -Mim com fome, mim que comer isto aí, me dá! –Calma Adão! Calmadão nada, quero comer! Me dá! –Ô enjoado, quando quer quer mesmo! Pega aí! –Me dá! E o mancebo deu uma bocada caprichada e engoliu um pedaço, dois, três... Arghh! –Que foi Adão? -Estou entalado!................................................................................................................................

23/11/2008
Nem mais e nem menosPlantando uma costela Adão dorme profundamente e já ronca porque não pode ficar de lado ou de bruços, principalmente porque está pelado até os dentes. O oleiro está a seu lado, tem todo o respeito por sua criatura, e afunda-lhe uma adaga de cristal puro de rocha no peito. Indolor, a primeira cirurgia da história resulta na doação involuntária de uma costela das vinte e seis que o mancebo possuía, não me perguntem por quê; a outra talvez tenha sido usada para fazer uma amante, mas sem possibilidades de confirmação. Do seu peito a costela inteira é cravada no barro meio mole e a imensa ferida é suturada. Foi fincar no chão e começaram a crescer raízes e galhos, logo as folhas, as flores, e dois minutos após já dava várias espécies de frutas, por causa das células das variedades comidas por Adão. Dali, a jabuticaba, o coco, a melancia, maracujá, berinjela, chuchu, cereja, pêra teriam aproveitamento na feitura de Eva.Após usar-se iodo (e como ardeu!) a ferida foi tapada com vários band-aids. Da árvore, raízes foram transformadas em duas pernas. O oleiro, travestido de marceneiro, olhou para Adão e começou a copiá-lo; pensou no que colocar no meio das pernas. Olhou de novo. Coçou a cabeça. Então fez os joelhos que seriam a parte mais feia da criação. A madeira se fez carne e osso e foi sendo esticada feito massinha, preparando-se o tronco e os braços onde colocou um joelho pequeno, só que ao contrário e sem rótula (futuro local da dor de cotovelo).Do caule da árvore escorriam algumas gotas de sangue de onde retirava células-tronco indiferenciadas e ia dizendo fiat figadus, fiat sthomacus e completou todos os órgãos do interior da barriga e tórax. Chegou ao pescoço, e viu que lá para baixo faltava alguma coisa. O órgão sexual era igual ao de Adão. Viu que a espécie humana iria entrar em extinção muito rápido, a não ser que lhes desse vida eterna. Um lindo arco íris desenhou-se no céu. Olhou muito zangado para ele e disse-lhe que voltasse outro dia porque não estava chovendo. O que se sabe é que removeu a musculatura do pênis, inverteu a pele que virou mucosa de imediato, e prendeu-a no alto perto da bexiga. Puxou daqui, puxou dali, ajeitou e fez o prometido rachadim que no futuro iria receber trocentos apelidos, o que fazer? Achou lindo e perfeito. Ele estava cercado por orquídeas, várias Laelias, sem perceber se deixara influenciar. Faltou bater com um martelinho e dizer parla. Afinal um tapinha não dói.Assustou-se com as bolinhas solitárias, tristinhas; não se deu por achado e puxou-as para dentro. Ao pensar na futura reprodução mirou uma berinjela no galho da árvore da vida e foi por ai, colocou lá, seria a madre do corpo. A semente de Adão seria plantada na madre como nos outros animais; usou um espermatozóide de Adão que sonhava e sonhava e se mexia tanto que escapavam alguns. Tirou a cauda do bichinho, disse-lhe que daí em diante ele seria feminino, recebeu em troca uma cara feia, o que pouco adiantou. Eis sua morada e tacou-lhe dentro do testículo que se assanhou, mudou a forma para uma avelã e virou ovário. -Ei, como vou sair daqui? -A cada quatro luas você e suas descendentes descerão por dois túneis, as trompas, para encontrar com seu par. Olha, todos cegos irão aos milhões, adoidados, para ver se pelo menos um te acha. Caso contrário adoção poderá ser uma solução.O oleiro, que passou a marceneiro, que passou a cirurgião, voltou ao pescoço e fez o arcabouço da cabeça parecida com a do dorminhoco, não sem antes pensar no leite, e para sua produção pediu a um beija-flor míope para pegar um pouco de células de uma vaca. O passarinho errou e trouxe material de uma gazela. Sorte nossa! Se bem que no hemisfério norte... Chegou a hora dos apetrechos do rosto, por inferência, no captar do olhar de uma chimpanzé fazendo caras e bocas - deu a Eva lábios suculentos, mais vermelhos, a língua capaz de colear, voltear, tremeluzir, saracotear, enrolar e ser enrolada. Lamber crias, na acepção da palavra, só retórica.Despachou beija-flores auxiliares para outras missões com exigência de, para cada produto, aprovação da Anvisa, código de barras e nota fiscal. Para o nariz secreção de canídeos, pois ela teria que ter um faro extraordinário para perceber cheiro de cerveja, cigarro, charutos, odores de perfumes de concorrentes em roupas e cabelos, e poder aprontar quando seu macho vier a freqüentar outras ocas ou tocas. Da águia veio secreção lacrimal para visão acurada de perceber as futuras sacadas no e do mulherio nas praias, festas e igrejas. Secreção de ouvido de morcego para ter um que possa perceber qualquer sussurro extra em telefonemas, cochichos ao pé do ouvido de amigas, colegas de repartição, etc. Mistura de cera das orelhas das zebras, lobas e hienas o material para esta marca eterna - andará de orelha aparentemente murcha, mas sempre em pé. Acabou de colocar células de língua de arara, e o matraquear automático de Eva começou mesmo sem ter com quem tricotar. Foi posta a nocaute.Precisava de controle dentro do coco da cabeça para que pudesse andar rebolando, correr atrás de marido, carregar criança no colo e nele dar de mamar, voar, mergulhar, não se dar com sogras, pilotar fogão, blogar, botar a mão na cintura e rodar a baiana. Uma longa depressão mundial não permitira os upgrades nos já obsoletos chips de Adão que apesar de poucos dias estava bem rodado, mas eles haviam se integrado e transformado em quatro neurônios, percebidos através uma ressonância magnética.O agora neurocirurgião-lingüísta pensou muito e para não criar para Adão um concorrente eterno, o que não deu certo, mandou um e-mail cuja resposta veio com dez vezes a velocidade da luz - a atmosfera era limpíssima e sem tempestades magnéticas. Logo a seguir atravessando a barreira do tempo chegam dois esquilos muito engraçados que vieram do futuro, precisamente de um país que pelo seu desregramento de mercado quebrou literalmente. Eles vieram dos estúdios de Walt Disney, lindos e fofos, travessos, um mais safadinho que o outro, sempre se metendo em encrencas. Apresento aos leitores os adotados e famosos Tico e Teco.Adão acorda e se extasia. A melhor obra da natureza estava ali na sua frente. Embevecido, um tanto apatetado, aprofundou se na sua inocência absoluta. Revirou os olhos, babou um pouco, não tirava os olhos dos olhos de Eva. Ela deu o primeiro sorriso do mundo, esticou o braço e pegou sua mão. No chão, vários riscos de cálculos que pareciam uma planta de engenharia. Ele sentiu o calorzinho dela e sorriu. -Vamos brincar de pular amarelinha?Fitava-os de soslaio um bicho rastejante...........................................................................................................1

6/11/2008
Nem mais e nem menos Amassando barro
No sexto dia da criação o homem foi modelado em barro de alta qualidade e posto a cozer num alto forno da Vale do Rio Doce. Esfriando, ainda no secador, ficou parecido com estátuas gregas, se bem que estas, no futuro, seriam esculpidas em mármore. Imóvel. frio, aspecto tenso, olhos baços mirando o ontem. O oleiro continuou, todos os animais que criara, andavam, voavam ou nadavam. Tinha um que rastejava, hummm! A modelagem teve por base um macaco, mas queria-o à sua imagem e semelhança. Não o cobriria de uma vasta pelagem. Enquanto a estátua esfriava olhou-se numa poça de água cristalina, por incrível que pareça, não conhecia seu rosto. Voltou animado, providenciou um orifício no rosto do modelo e fez um boca-a-buraco. Insuflou-lhe todo o ar de seus pulmões. Pronto, criaram-se todos os órgãos para cima e para baixo. Primeiro os lábios, nariz e boca; logo os pulmões aconteceram. Estes precisavam de artérias e veias, um coração, fígado e etc. Tudo bem! Estava feito.Achou que uma distinção deveria ser criada. Importou alguns chips, memórias e processadores em desuso do Paraguai e colocou-os dentro da cachola até então vazia - ainda hoje muitos permanecem anos e anos assim. Como os sistemas operacionais Windows ainda não tinham sido aperfeiçoados colocou o que havia à disposição, um DOS, Versão 01, sobra de uso em primatas mais modernos, como o chimpanzé. Penúltimo parafuso apertado, deu-lhe um eletro-choque daqueles que se usam para ressuscitar defuntos recentíssimos e teria dito-lhe, falam por aí, em bom latim: Ecce Homo ( Eis o homem). O autor, sem a ABIN, não conseguiu apurar verdadeiramente que língua o ceramista murmurou já que não houve como grampear o dito no principinho do princípio, exatamente o momento Alpha dos hominidas. A única humanidade existente era a dos macacos, já periclitante, tanto que não foi a frente até hoje. Esse homem ele o chamou Adão, do hebráico e quer dizer homem de terra vermelha, a cor do barro, a tal matéria prima do tio distante. Adão pôs-se de pé, respirou fundo, olhou para todos os lados e deu o primeiro passo: -Quem é você? -Mais respeito, sou teu senhor! –Mas não o teu feitor. -Sim, senhor, bateu continência, estou exultante, feliz por esta dádiva. A vida! Jamais iria saber em que tipo de magazine ou supermercado iria achá-la, e se achasse, como comprar. Não tenho dinheiro, cheque especial ou cartão de crédito. - Santa Ignorância! - a primeira delas - Adão, meu filho adotivo, é, revelo-te o mais cedo possível, tu não irás precisar de nada disto. Antes, olhe à sua volta, veja os rios e lagos com peixes e outros animais aquáticos, o ar, este negócio, desculpa-me, este gás não venenoso que te mantém vivo. Nele abundam, com todo respeito, aves, morcegos e insetos voadores, todos para teu deleite. Este líquido, o leite, por exemplo, é fornecido pelos mamíferos que te bastarão. Estes animais, assim como répteis, quelônios e outros que andam no chão e nas árvores serão tuas companhias para todos os folguedos que possas imaginar. Às árvores, arbustos, bromélias, ervas, capins e outras que serão reunidas em compêndios no futuro distante dei o nome de Paraíso... Repara, paradesha quer dizer em sânscrito, país supremo. E em avéstico, pairi-daeza (paradizo), é um jardim murado. Isto está na Wikipédia; mais tarde irá conhecê-la depois de criada a internet. Este jardim ou Éden, do acádico edinu significa “campo aberto”. –Humm, seus descendentes farão muita confusão, uma babel. É todo teu e nele nada precisará ser plantado e cultivado, as sementes serão espalhadas por todos que delas comerem as fruta ou os frutos. O vento, a chuva e o sol, serão os agricultores.-Ide e aproveitai do que melhor existe em seu derredor. E saiu Adão encantando-se com o que ouvia, roncos e sibilos, cacarejos e chilreios, balidos e trinados. A natureza o saudava. Tanta maravilha inundando seus sensores ópticos e óticos. E andou e andou, e muito. Nas andanças viu que animais corriam atrás uns dos outros. Depois paravam, e com alegria, um subia em cima do outro, sacolejava o corpo e descia. Logo se separavam. Um certo dia viu um casal de chimpanzé se atracando. Pensou que era briga. Chegou mais perto. Os dois não deram a mínima. Fizeram caretas para ele. Chegou mais perto. Excitou-se e disse: - Quero brincar também! Levou um catiripapo e saiu catando coquinhos. Pensou em reclamar com o homem do barro, mas ficou com vergonha. Ainda estava em riste. Inconsolável ficou murcho, deitou-se e adormeceu, muito triste. Não teve sonhos, não havia o que sonhar. Viu-se composto ao acordar. Demência? Ficou vai, não vai, , durante meio dia. Foi pedir clemência. -Senhor, estou sentindo-me só, o mais desolado dos homens, não estou lhe criticando, mas me vejo cotó (preterido no amor- a zoofilia estava muito distante ainda). Todos têm um parceiro para fazer aquilo de subir em cima, de balançar, sacudir, quero um meeiro, o senhor sabe... faz um para mim também? - Paciência Senhor! Adão, vou fazer sim, não pode ser igual; você tem um balancim e seu par será uma criatura com uma diferença principal pelo lado de fora, terá um “rachadim”. -O senhor quer me enganar? Ta falando mineirim... Ah, não, eu gosto é de mim, faz nele esta trombinha que sobe e desce. Pois eu gosto quando cresce, se tiver diferenças não quero levar bombinha, blá, blá, blá ... O padrasto perde a paciência e deixando de lado a ciência, imitando um futuro Rei diz: -POR QUÉ NO TE CALLAS? MASCA ESTA FOLHA AQUI! E TRATE DE DORMIR!Dácio Jaegger.........................................................................................................