24 de fev de 2009

Sem mais e nem menos

Quero ter filhotes como os passarinhos

-Eva, seus mamás estão crescendo novamente, já estão de bom tamanho, sua barriga segue o mesmo caminho. Sabemos o que vai sair deles, o leite e dela mais um Caim, porque é repetição. Não há como errar, já sou expert e tenho observado por aí que todos os bichos são assim, enchem a barriga depois botam para fora suas crias. –É sabidão, com certeza vem outro. E você conversou com algum bicho para saber o que eles fazem para isto acontecer; será que é alguma coisa especial que comem, tipo... plantas, bichinhos, terra, pedrinhas? -Eva, os bichos falam, mas não entendo nadica de nada de pitibiriba; escuto com muita atenção mas não tem jeito, e depois, falam gritando, de longe, muitos falam ao mesmo tempo. Entendimento com eles acho que só quando houver um software de tradução e interpretação. –Esquece, Adão, outro dia você falou que todos os bichos cospem suas crias, mas você está errado, uns fazem isto, mas outros não. Alguns já vimos cuspindo, mas e outros que não vimos? –Eu? –É, você conhece outra pessoa além de você e eu? –Conheço o Caim. –E Caim com este “tamainho” é uma pessoa? –É verdade Eva, não é uma pessoa, o que é então? –Esquece! Voltando à vaca fria, os pássaros não cospem filhotes, eles catam bolotas de pedras com aquela gosma amarela que a gente come, e aí aparecem as crias. A gente podia ver se arranjava umas pedras também para fazer a mesma coisa. Detesto carregar caim na barriga. Dá muito chute, é muito mal educado, revira sem aviso, é muito difícil levar um estrupício deste dentro do corpo para lá e para cá, e depois ter que cuspi-lo com tantas dores, meter os dentes naquela tripa catinguenta para cortar. Pior, também, dar o tal de leite para o filhote beber, depois sair catando bichinhos para dar de comer. Isto não é vida! Será que será minha sina? –Eva, não entendo nada disto. Eu passo. Ando comendo o pão que o diabo amassou. As chuvas diminuíram, a terra está mais dura, tenho que lavrar, arar e plantar... ando até fazendo irrigação artificial, mas isso saliniza a terra e as plantas vão ficando atrofiadas e rendem menos. Consegui juntar uma manada de trezentos camelos; eles estufam as corcovas com água e vomitam na lavoura. Com isto estou colhendo trigo, arroz, feijões e uvas. –É Adão, será que o aquecimento global está a caminho? Nós três estamos produzindo desmatamento, queimando matas, fazendo fogueiras para cozinhar, para nos aquecer nos dias frios. Tenho medo, isto pode acabar mal. –Tadinho de Caim Eva, não põem ele diretamente nisto, é um inocente. –Tá bem, tiro ele. –Eva, mudaremos para terras virgens, férteis. A população está aumentando cada vez mais. Olha, no início era só eu, com você dobrou, com Caim triplicou e mais esse outro na sua barriga irá quadruplicar a população da Terra. Palavra de ordem, chispar daqui! –Sim Adão, já fomos expulsos do Éden, acabamos com as matas para fazer as lavouras. A fonte minguou, o riacho secou, a estiagem não melhora, meu medo aumentando, não é bom também iniciar uma blogagem coletiva protestando contra este estado de coisas? –Contra nós mesmos? Querida, pelo que vejo, as blogagens coletivas fazem sucesso relativo entre os que participam, não mudam nada do que abordam por mais que protestem, não são lidos pelos donos do poder, trazem um sucesso meteórico para o líder e pronto! Eva, você não se acha impressionável além da conta? Seus afazeres domésticos tiraram sua visão do mundo. Ainda não notou que por aqui passa uma manada imensa de antílopes magros que nem bacalhau e depois de várias luas retornam gordinhos, rechonchudos, tudo de cara alegre? –É, estou me lembrando, e o que tem isto? –Eva, naquele dia em que trouxe aquele filhote de macaco para a gente comer eu subi naquela serra alta e olhei para onde nasce o sol. Tem muito verde pra lá, o que significa matas, florestas e pastos que fornecem as plantas que os chifrudos comem. Apesar de serem muitos não destroem a vegetação, a produção de oxigênio é imensa e a absorção de Co2 também; não precisamos nos preocupar tanto, entrar em histeria, há muito espaço para a expansão da nossa lavoura. E quando a nova área for ocupada e esgotar-se a gente vai em frente. –Sim, meu homem, quando vamos? – Eva, é um assunto que nem tem que pensar muito, é arrumar os trapos e botar o pé na estrada, quero dizer, trilha. Este negócio de sermos os primeiros da humanidade dos homens é uma desgraça. – Alto lá! Eu sou da humanidade das mulheres! –Baixa o dedo e não grita! Vai começar mais uma discussão? Aqui e agora e doravante será a dona encrenca; vamos decidir o seguinte: a partir de hoje a humanidade é uma só humanidade e nela entramos eu, você e Caim, combinado? –Tudo bem Adão, e o outro Caim? –Minha nossa, vamos esperar que seja cuspido. Ele então entra na contagem do IBGE. . –Concordo Adão. Posso te chamar de Bem? Bem, já te falei que quero ter filhos como os pássaros; vamos descobrir onde eles arranjam as pedras redondas com o filhotinho dentro?

2 comentários:

Miguel disse...

Brimo, demorei mas cheguei!
Linderrima esta página!
Linkei já pensando em cobrar alguns miudos por um trabalho a mais e, aqui chegando, com o corfação desedaçado e o bolso doendo, resolvi te isentar da sobretaxa.
Valeu a mudabça.
Espero que este comentário feioto sa uma só mão, possa representar o quanto te estimo e respeito.
Um forte abraço!

Eurico disse...

Aew, vim deixar um abraçamigo.